quarta-feira, 17 de junho de 2009

Venhas

VENHAS

Venha,...

Dê-me a mão para luz caminhemos

Quero mostrar o que lá fora estende

Aos nossos olhos deste distante mirante

Venha,...

Menina comigo nesta travessia

Há um sopro de vida que nos aguarda

Nossos jovens atléticos corpos mutantes.

Venha,...

Bem sei e posso desse andar

Contigo nadar do naufrágio, cadência

Sobre a luz nos banhar, venha dançar.

Venha,...

Muito já se passou neste lugar

Que não se ocupa de aqui estar

Eis para fora desse casulo a primavera.

Venha,...

Amiga minha desta fria e calculada

Cenografia sua e doutros tantos status

Já pulverizado pelas mórbidas falácias...

Venhas,... (L.E.z.)

domingo, 7 de junho de 2009

* escuridão *

* escuridão *

Cego e exposto a um atropelamento

Na Fiorelli, contudo zangado por não me ver

O que se passa aqui e ali, e da verdade que me

Diz não convence, evapora nas sombras

Do teu silêncio, ensurdecedor nesta

Auto-estrada que me conduz a um abismo.

Tanto que: - Ta, decidido é hoje,

É justo que não seja amanhã!

Que não passe de hoje!

Fatalmente será nosso encontro

Ou Ela ou Eu sobreviverei para a luz do que sou

Que ninguém se atreva a me contestar

Quando der ou não cabo desta escuridão.


No trote indeciso pressentindo o perigo

De parte da calçada que outro descalçou

Vou aos poucos numerando os passos

E ordenado ali, com paciência chegar

Nas mesmas perguntas e respostas

Com os quais se entende do fracasso

Digo-lhes: - Ta, decidido é hoje,

É justo que não seja amanhã!

Que não passe de hoje!

Fatalmente será nosso encontro

Ou Ela ou Eu sobreviverei para luz do que restar.

Que ninguém se atreva a me contestar

Quando der ou não cabo desta escuridão.
(L.E.z.)

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Circunspectro



- Circunspectro -

quarta-feira, 3 de junho de 2009