quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

sábado, 24 de dezembro de 2011

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

terça-feira, 8 de novembro de 2011

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

sábado, 3 de setembro de 2011

domingo, 28 de agosto de 2011

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

sábado, 20 de agosto de 2011

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

domingo, 14 de agosto de 2011

sábado, 13 de agosto de 2011

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

-Dê Um Tempo!



Nada como...

...Um dia após o outro?





terça-feira, 26 de julho de 2011

quinta-feira, 21 de julho de 2011

sexta-feira, 15 de julho de 2011

quinta-feira, 14 de julho de 2011

quarta-feira, 13 de julho de 2011

domingo, 3 de julho de 2011

segunda-feira, 27 de junho de 2011

domingo, 12 de junho de 2011

sexta-feira, 10 de junho de 2011

quarta-feira, 8 de junho de 2011

terça-feira, 7 de junho de 2011

sábado, 4 de junho de 2011

sexta-feira, 3 de junho de 2011

quinta-feira, 2 de junho de 2011

A Mesma Coisa:

A Mesma Coisa:

Varado de incógnita me revendo

Nestes últimos anos assim. - Assim

Tão mal passado bem amarrotado

Bem pouco de mim: rondar por ai

Mas quando possível: estar aqui

Sempre sem pressa: a neste tanto

Com você que bem pouco nem sei

Se ainda encanto, mas reconheço

Que através de alguns remendos

Convenço-me ser suficiente a mim

Crer que nem ter que desagradar...

Meu melhor é assim enganar-me.

No meu entender - Boa parte disso

Ainda estou renumerando, uns fatos

Com glorias a nodoa desventuras...

Nossa! Perdemos algumas batalhas

Nada que aparente ente fosse nosso

O amor em face de outro reivindicar

A brindar - mos os próprios artifícios

A versejar o tanto que lamentamos

Com habilidade sutil mente entornar

Todavia assim retornamos para casa

Onde felizmente somos bem-vindos

Entre as mesmas – as quatro paredes

Aos nossos semelhantes um alívio. 02/06/_11. L.E.z.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

sexta-feira, 27 de maio de 2011

domingo, 22 de maio de 2011

terça-feira, 10 de maio de 2011

- ...se esquecer?

- ...se esquecer?

Como se esquecer...

Se nem me acho num daqueles perfeitos

Dias: hoje distante que fácil seria ser feliz

(que você não deixava de ser meu amor)

Que com tão pouco aos pés de um anjo

Fazia-se em santo manto o arrependido?

Embora haja razão para crer que não foi

Tudo em vão e que fito-a sob tal aureola

Aqui só estar parido desta estreita ilusão!

Ansiosa mente alterada por mais aguçada

Quando ouço terna e eterna a voz penso:

Há tempo a horas no vento que me abrigou

Já fui melhor aparentemente só eu creditava

Mas por fora de teus sensos tal era que hoje

Nem sombra restou e você me acompanhou

Nas vias na lida que aqui e ali neutra se deu

Ao espelho há cicatrizes caprichosas mente

Que pela brisa se multiplicou e às faces...

A estas amigáveis... Cravou-se! 21/04/_11.L.E.z.

sábado, 7 de maio de 2011

segunda-feira, 25 de abril de 2011

quarta-feira, 20 de abril de 2011

quarta-feira, 6 de abril de 2011